Revisitando O Documentário “Império de Sonhos” (Parte 6).

Enquanto as filmagens aconteciam, Lucas enfrentava muitos problemas como avarias eletrônicas. Guerra nas Estrelas lutava para se manter em dia. Esperava-se que, depois dos problemas na Tunísia, as filmagens passassem para um ambiente mais controlado e transcorressem com menores problemas nos estúdios Elstree em Londres, que estavam entre os maiores do mundo em tamanho. Os cenários demoraram meses para ficar prontos. Todo o elenco de Guerra nas Estrelas finalmente se reunia. Era como um filme totalmente separado, uma espécie de recomeço. Carrie Fisher, com apenas 19 anos, via Ford, com 33 anos, como o mais velho, o “sabichão do campus”. Ao conhecê-lo, Fisher teve a impressão de que ele ficaria famoso no cinema. Peter Mayhew, por sua vez, dizia que se transformava quando colocava a máscara de Chewbacca.

Harrison Ford, o "mais velho do campus"...

Harrison Ford, o “mais velho e sabichão do campus”…

Apesar das melhores condições de trabalho em Elstree, os problemas não desapareceram. O sindicato dos atores britânicos exigia que as filmagens terminassem às 17h30min, a menos que se estivesse no meio de uma tomada. Lucas pedia quinze minutos a mais para o pessoal da filmagem, mas eles sempre se recusavam. Além disso, a equipe achava que Guerra nas Estrelas era um filme infantil e isso não ajudava em nada. Até os atores não levavam o filme a sério em algumas ocasiões. Kenny Baker, que interpretava o R2 D2, achava o filme um tanto estranho, opinião compartilhada por outros membros da equipe no set de filmagem. Ford se lembrava da “princesa com tranças esquisitas nas laterais e de um gigante vestido de macaco”, concordando com a estranheza da coisa. Fisher se lembrava dos diálogos difíceis como o “mau cheiro” de Tarkin. Ela dizia que datilografar tais textos era fácil, o problema era falar esses textos. Lucas, por sua vez, se sentia mal longe de casa e não era sociável. Ele chegou a ter conflitos com o cinegrafista Gil Taylor, considerado conservador e excêntrico. A forma independente de Lucas de trabalhar, pedindo o que queria a seus subordinados, irritou Taylor, que achava que Lucas estava interferindo em seu trabalho. Taylor queria que Lucas lhe dissesse o que queria que fosse filmado e Taylor se incumbiria disso. Eram estilos diferentes de trabalho. Lucas também ficou frustrado com cenários e figurinos que não condiziam com o que ele queria em Guerra nas Estrelas. Problemas de verba fizeram com que ele tivesse que fazer concessões que muito o incomodavam.

Georce Lucas, um eterno sofredor...

George Lucas, um eterno sofredor…

Nas palavras de Carrie Fisher, Lucas não era muito de falar com os atores. Ele praticamente só dizia: “Rápido e mais intenso!”, após uma tomada. Os próprios atores tinham que se virar quando ele olhava com um tom desaprovador, pois ele mesmo não passava nenhuma orientação, segundo Mark Hamill. Ford, por sua vez, diz que Lucas é uma pessoa afetuosa, mas um tanto impaciente com o processo de atuação, que busca descobrir algo durante o exercício da atuar. Para Lucas, tudo já está ali no roteiro. Mas, segundo Ford, nem sempre dá para simplesmente fazer o que está escrito no papel. O perfeccionismo de Lucas era ironizado pelos atores. Havia piadas com a fita isolante que Fisher usava no lugar de roupas íntimas (quem vai tirar a fita?). Os atores tentavam fazer Lucas rir, já que parecia sempre que ele ia começar a chorar, de tão fechado que era seu semblante. Lucas não gostava muito desse humor, pois ele estava concentrado nas filmagens vendo o que iria fazer. E os atores queriam apenas tornar o clima mais agradável, pois passaram a manhã toda no compactador de lixo, como Hamill se lembrava.

Uma manhã inteira no compactador de lixo..

Uma manhã inteira no compactador de lixo…

Uma curiosidade aconteceu na cena em que Luke e Leia atravessam um poço da Estrela da Morte pendurados numa corda. Foram os dois atores que fizeram a cena, a cerca de vinte metros de altura. O coordenador dos dublês, Peter Diamond, não tinha verba para os dublês. E assim, ele ensinou aos atores sobre como fazer a cena, dizendo-lhes que ela era totalmente segura. Mas, quando Diamond fez a cena com um amigo, um arnês (peça que mantém o dublê preso na corda), se rompeu, fazendo um som de rasgo enorme. Hamill se recusou a fazer a cena e Diamond mentiu dizendo que o que rasgou foi a calça dele, jurando ainda que a cena era segura, o que convenceu o ator. A cena foi feita em apenas uma tomada. Como era o início das filmagens, fizeram piadas com Fisher sobre o seu peso para a cena. O pessoal achou melhor trazer a Jodie Foster, mais magrinha.

No próximo artigo, falaremos das encenações dos combates de sabres de luz e de mais turbulências no processo da produção. Até lá!

Mark Hamill e Carrie Fisher realmente fizeram essa cena! Você acredita???

Mark Hamill e Carrie Fisher realmente fizeram essa cena! Você acredita???

No Comments Yet.

Leave a comment

You must be logged in to post a comment.