Terceiro Encontro Do Conselho Jedi Rio de Janeiro.

Foi realizado no último dia 23 de maio, no teatro Eva Herz da Livraria Cultura, o terceiro encontro do Conselho Jedi Rio de Janeiro, com o intuito de abrir um espaço para a reunião e a interação dos fãs de Guerra nas Estrelas. Mais uma vez o encontro ocorreu por iniciativa de Brian Moura e Henrique Granado, com o apoio da Livraria Cultura, se firmando cada vez mais no calendário cultural da cidade. E, dessa vez, os assuntos abordados foram: O Universo Expandido de Guerra nas Estrelas e a exibição de mais um Fan Film, desta vez sobre Darth Maul.

Mais uma vez a galera compareceu

Mais uma vez a galera compareceu

Os assuntos referentes ao Universo Expandido ficaram a cargo da palestrante Débora Otero, que procurou dar uma visão geral sobre o tema. O assunto Guerra nas Estrelas era tão fascinante que as pessoas estavam ávidas por novas histórias, o que provocou uma verdadeira explosão de lançamentos editoriais, tanto de livros quanto de quadrinhos. Otero buscou dar apenas uma pincelada num Universo Expandido que tem centenas de títulos. E, mesmo assim, ela deu uma enorme torrente de informação. Assim, vamos aqui dar uma pincelada sobre a pincelada. O que podemos falar em primeiro lugar é que a Marvel Comics lançou os primeiros quadrinhos (1977-1986), onde tivemos a personagem Shira Brie, que foi a primeira namorada de Luke Skywalker. Ela era uma imperial e acreditava muito nos preceitos do Império. Darth Vader a infiltrou na rebelião para tentar tirar Luke de lá e seduzi-lo para o lado sombrio. Mas Luke acaba explodindo a nave de Shira Brie e ela é dada como morta. Entretanto, a moça sobrevive e é resgatada por Darth Vader. Feita cibernética, Shira Brie torna-se a  aprendiz do senhor sombrio, com o nome de Dark Lady of Sith. Nos anos de 1979 a 1983, a editora Del Rey lança os primeiros livros, com destaque para “Splinter of Minds Eye”, onde havia um cristal que amplificava a Força. O conceito de Universo Expandido então passou a valer para tudo aquilo que não fosse a trilogia clássica. George Lucas não dava a menor importância para os livros que eram publicados e não considerava nada daquilo a história oficial (mais tarde chamada de cânone) de Guerra nas Estrelas. Mas as histórias continuaram a ser escritas. Em 1º de maio de 1991, deu-se início à famosa trilogia Thrawn, de Timothy Zahn, o primeiro escritor a obter autorização de George Lucas para escrever uma continuação para “O Retorno de Jedi”. Essa trilogia (formada pelos livros “O Herdeiro do Império”, “Ascensão da Força Sombria” e “O Último Comando”) é considerada por muitos fãs a melhor história de Guerra nas Estrelas no Universo Expandido e muitos a tratam como os verdadeiros Episódios VII, VIII e IX. Foi introduzido um grande vilão, o Grão Almirante Thrawn, que consegue fazer com que seus comandados o temam e o amem ao mesmo tempo. Outra personagem digna de destaque foi Mara Jade, uma ex-dançarina do Palácio de Jabba e espiã do Imperador Palpatine, que quer matar Luke Skywalker a todo custo. Para muitos leitores, Mara Jade é a personagem feminina mais importante em Guerra nas Estrelas depois da Princesa Leia Organa.

Uma importante palestra sobre o Universo Expandido

Uma importante palestra sobre o Universo Expandido

Otero também se lembrou de uma série publicada pela Bantan Books, de 1991 a 1999, que enfocou a Academia Jedi de Luke Skywalker, onde o seu aprendiz Kyp Durron foi o protagonista da história mais interessante. Há, ainda, a trilogia Coreliana, que fala da volta de Han Solo para seu planeta natal, Corelia. O esquadrão Rogue também foi presenteado com uma série de nove livros.

Uma experiência inédita foi o projeto multimídia “Sombras do Império”, de Steve Perry, que contou com três mídias: jogos eletrônicos, quadrinhos e livro. Só se poderia ter uma boa ideia da história se o leitor interagisse com esses três caminhos. Foi criado um personagem, o Príncipe Xizor, líder da organização criminosa Sol Negro, que foi fortemente trabalhado como estratégia de marketing.

Foi, também, lançada a série “Antologias”, com vários contos referentes a elementos de Guerra nas Estrelas (Palácio de Jabba, a Cantina de Mos Eisley, a Nova República, etc.). Já a editora Dark Horse lançou quadrinhos que abordavam a ida de Luke para o lado sombrio ou a Velha República, ocorrida cerca de três a quatro mil anos antes da trilogia clássica. De 1995 a 2013, a Lucas Arts também lançou uma série de jogos de vídeo game.

Débora Otero, a palestrante

Débora Otero, a palestrante

A editora Del Rey lançou entre 1999 e 2003 uma série de 25 livros da Nova Ordem Jedi, com destaque para os Yuuzhan Vong, uma raça alienígena fanática religiosa que invade a galáxia. Há, também, a morte de Chewbacca, o que despertou indignação nos fãs que reclamaram que um dos personagens principais da saga havia sido sacrificado. Nosso pobre wookie toma literalmente com uma lua na cabeça, sendo essa uma morte considerada ridícula pelos fãs.

Vários livros independentes de séries ou sagas também foram escritos. Timothy Zahn trouxe novos títulos de 2004 a 2013 (“Scoundrels”, “Survivor of Quest”, “Outbound Flight”, “Allegiance” e “Choices of One”). Troy Denning trouxe “Tatooine Ghost” e James Luceno trouxe “Darth Plagueis” em 2012. A trilogia prequel também gerou uma série de livros e jogos para vídeo game. Na tv, houve duas séries “Clone Wars”: a animação de Tartakowsky e a animação em CGI.

Com a compra da franquia pela Disney, foi decidido que todo o Universo Star Wars ficaria unificado, sendo chamado de cânone. Toda série, jogo, livro, quadrinhos, filmes, fariam parte de uma coisa só. E tudo antes disso que não fosse das duas trilogias passou a ser classificado como “Legends”. Assim, séries de tv como Rebels e Clone Wars pertencem ao novo cânone.

Otero ainda tentou fazer um mapeamento de como o novo cânone pós Disney bebe da fonte do Universo Expandido. Assim, ela tomou como base o Episódio VII e buscou algumas semelhanças. A Primeira Ordem no filme pode ser vista como os remanescentes do Império no Universo Expandido. O casamento de Han e Leia, os seus filhos (Jacen e Jaina) e a administração da Nova República também aparecem no filme (Kylo Ren e Rey?) e nos livros, quadrinhos e jogos. A figura de Finn, como um membro do Império que passa ao lado rebelde também aparece na figura de Han Solo que abandonou a Academia Imperial.

Essas foram apenas algumas impressões da palestra de Débora Otero sobre o Universo Expandido, já que ela forneceu muito mais informação. E isso porque ela disse que só deu uma pincelada por alto. Disso tudo nós podemos concluir que a biblioteca completa do Universo Expandido é vastíssima e só comprova como Guerra nas Estrelas se consolidou como uma verdadeira cultura.

Já o Fan Film exibido, “Darth Maul, Apprentice”, de Shawn Bu, mostra a história do aprendiz de Palpatine fazendo o teste final de seu treinamento, quando ele enfrenta seis cavaleiros jedis que invadem o planeta onde ele está escondido. É um Fan Film de altíssima qualidade, com excelentes duelos de sabre de luz e até com uma certa pitada de faroestes de Sérgio Leone, onde os duelos tinham grandes closes dos pistoleiros. Para quem achava que Darth Maul foi um vilão muito mal aproveitado no Episódio I, esse Fan Film é uma bela de uma redenção e só nos faz sentir mais raiva ainda de Darth Maul, um sith sem a menor compaixão. Não deixe de ver o vídeo do Fan Film abaixo e o vídeo com as cenas de making of.

Após a exibição do Fan Film, os sorteios de praxe e a esticadinha dessa vez ao Verdinho da Cinelândia, para colocar os assuntos jedis em dia. Houve uma manifestação próxima ao Amarelinho e a galera preferiu ficar um pouco afastada para evitar eventuais confusões. Mas tudo transcorreu bem.

Essas foram as impressões do terceiro encontro do Conselho Jedi Rio de Janeiro. Para quem é fã de Guerra nas Estrelas, esse é outro evento mensal que vale a pena dar uma conferida (o primeiro é, como sabemos, o Cineclube Sci Fi no Planetário da Gávea). Apareça e participe!

No Comments Yet.

Leave a comment

You must be logged in to post a comment.